Sindicatos de vigilantes do Rio avaliam a proposta do sindicato patronal

trt2

Desde o dia 15 de março os sindicatos de vigilantes do estado do Rio de Janeiro estão analisando a proposta do Sindicato Patronal (Sindesp) que é a seguinte: os 30% serão pagos como risco de vida; Reposição da inflação no salário e no ticket refeição; Será cumprida a sumula 444 do TST onde na jornada de 12x36 será assegurada a remuneração em dobro dos feriados trabalhados; Punição do empregador que atrasar o pagamento dos salários dos trabalhadores, respeitando o prazo máximo de 3 dias após o 5º dia útil previsto em lei para efetuar o pagamento.

Leia mais...

Diretoria do Sindicato participa de debate nacional com lideranças em SP sobre os 30%

asp3


No dia 1º de março de 2013 a diretoria do Sindicato dos Vigilantes de Volta Redonda e Região Sul Fluminense, representada pelo presidente Raimundo Adão e a diretora Valeria Martins, esteve em São Paulo para debater com outras lideranças sindicais e avaliar o cenário nacional da aplicação da periculosidade, além de intensificar o movimento nacional como um todo. Em 12 Estados os vigilantes patrimoniais estão recebendo e 17 estados os vigilantes de transporte de valores também já conseguiram que os empresários cumpram a lei da periculosidade.

Leia mais...

Sindicato patronal ganha tempo na negociação para não cumprir a lei

trt1a

Na última quinta-feira (28) houve uma reunião de conciliação no Tribunal Regional do Trabalhador (TRT), onde o Sindicato do Sul Fluminense e outros Sindicatos foram chamados para esclarecer a greve. Os patrões alegam estarmos de greve desde 1º de fevereiro. Mas não é verdade. O que houve foram manifestações e não greve. Com isso eles ganham tempo para não cumprir a lei.

O desembargador viu como litigância de má fé o ajuizamento do dissídio de greve pelo sindicato patronal, com isso deu um prazo de 48 horas para os Sindicatos dos Vigilantes obterem provas e apresentar ao TRT. Agora o Sindicato aguarda o resultado da ação contra a liminar que instaurou o dissídio de greve pelo Sindicato Patronal.

Leia mais...

Encontro Nacional em São Paulo pelo pagamento imediato dos 30%

desenho-vigilante-protesto

Mais uma vez os patrões correm para a justiça do trabalho para impedir a luta dos trabalhadores vigilantes. Com mentiras tentam impedir a luta da categoria. Mas os vigilantes vão iniciar um grande movimento grevista em todo país e no estado do Rio de Janeiro.

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES

1 - Reajuste salarial de 10%;
2 - Fim da jornada mensal de 192 horas;
3 - Jornada semanal de 44 horas;
4 - Desconto do ticket refeição de 20% para 5%;
5 - 30% de periculosidade;
6 - Plano de saúde para o vigilante e os dependentes;
7 - Multa por atraso no pagamento do salário.

Leia mais...

Patrões cancelam Mesa Redonda no MTE

mte1

Representantes sindicais da categoria revoltam-se ao saber da ausência do sindicato patronal

Marcada para o dia 22 de fevereiro, às 10:00, no Ministério do Trabalho e Emprego – MTE a mesa redonda que tinha por objetivo fazer avançar as negociações entre trabalhadores e empresários, foi cancelada a pedido do Sindicato patronal. O Sindicato patronal, representante das empresas de segurança, alega que já entrou com ação na Justiça do Trabalho pedindo a instalação do dissídio coletivo e que já obteve liminar contra uma possível greve da categoria. O Sindicato Patronal informou na ação que a categoria está em greve desde o dia 1º de fevereiro.

Leia mais...

Sindicatos reunidos em busca de solução para os 30%

A equipe do Sindicato dos Vigilantes de Volta Redonda e Região Sul Fluminense estará indo ao Rio de Janeiro no dia 22 de fevereiro, a fim de se reunir com os representantes de todos os sindicatos de vigilantes do Estado do Rio, na busca de uma solução imediata para a liberação dos 30% de periculosidade.

Desde o início do ano, de Norte a Sul do estado, passando pela Baixada Fluminense, Região Serrana e Niterói, os sindicatos tem promovido reuniões e manifestações em suas bases territoriais pelo cumprimento da Lei 12.740/12 que concede 30% de adicional de periculosidade aos trabalhadores da segurança privada, o adicional que os vigilantes têm direito, mas os patrões vêm protelando o pagamento, alegando que a lei precisa ser regulamentada. A lei foi sancionada pela presidente Dilma em dezembro.

Contato

VOLTA REDONDA - RJ: Av. Sete de Setembro, 632 - Aterrado

Telefone: (24) 3346-8819

 

RESENDE - RJ: Av. Albino de Almeida, 142 - sala 205 - Campos Elíseos (em cima da loja Mundo Verde)

 

E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.